O MAESTRO DAS CIDADES

Para os especialistas em segurança e engenharia de trânsito Eduardo Biavati e Heloísa Martins, a existência de uma estrada ou de um conjunto de vias, as ruas, é condição essencial para o desenvolvimento das cidades. Mas por que tamanha importância? Porque é através das ruas que ocorre toda a circulação de uma cidade, seja de pessoas ou mercadorias. Por isso, para tais autores, não podemos pensar a cidade sem o trânsito.

Porém, o verbo transitar, diferentemente do substantivo trânsito, traz consigo uma conotação mais ampla acerca das trajetórias humanas, remetendo aos percursos sociais inerentes da circulação urbana, enquanto o segundo parece estar invariavelmente associado ao deslocamento físico, sobretudo de veículos automotores. Contudo, como bem se sabe o trânsito não se faz apenas de veículos, mas também de pedestres e bicicletas, por exemplo.

O carro, no entanto, pode certamente ser associado não só à liberdade como a velocidade, pois individualiza o trajeto do sujeito, possibilitando exercer o controle de seus movimentos, permitindo a sensação de domínio espaço-tempo público, que pode se constituir de itinerários pré-definidos. Esses itinerários são definidos pelo condutor do veículo, diferentemente daqueles que precisam utilizar o transporte público.

Com a organização do capitalismo moderno houve a aceleração dos ritmos econômicos. Os meios comunicacionais, a cibernética, as relações virtuais e mesmo o avanço tecnológico dos motores, cada vez mais potentes e velozes, representa economia de tempo e distância, o que acabou por legitimar a máxima: tempo é dinheiro.

Questão que me remete ao filme de ficção científica, O preço do amanhã (In time, 2011), protagonizado por Justin Timberlake e Amanda Seyfried. No enredo futurista onde a ciência conseguiu isolar o gene do envelhecimento, como forma de controlar a superpopulação da terra, as pessoas são geneticamente modificadas para envelhecerem até os 25 anos. Só há um pequeno senão: assim que alcançam certa idade, as pessoas são “programadas” para viver apenas mais um ano. Seu tempo então passa a ser literalmente cronometrado através de um relógio subcutâneo implantado em cada indivíduo. Como efeito, o tempo torna-se a principal moeda de troca, exacerbando as desigualdades sociais. Enquanto os ricos permanecem indefinidamente com a aparência de alguém de 25 anos, tornando-se praticamente imortais, os pobres tem seu tempo contado e precisam lutar dia após dia para conseguirem mais tempo de vida, seja trabalhando para adquiri-lo, seja roubando-o ou mesmo como um pedinte de esmolas.

O tempo, tomando o lugar da vida, como podemos ver na ficção, tornou-se um valor. No entanto, assim como assinala o filósofo alemão Robert Kurz, a aparente economia de tempo que resulta da velocidade trouxe uma inestimável, porém contraditória perda em uma das mais importantes qualidades de nossa vida: a qualidade do próprio tempo de vida. Levando ao que o autor chama de a aniquilação do tempo de vida. Nessa perspectiva, não é difícil acolher a ideia de que quanto mais tempo se economiza menos tempo se tem. Quem encontra tempo, nos dias que correm, para realizar um deslocamento qualquer pela sua cidade a pé ou de bicicleta, seja para algum compromisso, seja para um simples passeio ou mesmo para “matar tempo”? Aliás, Kurz bem lembra que a expressão “matar” tempo é uma invenção genuinamente capitalista.

A professora Gislaine de Macedo e sua aluna Nila Carvalho, em artigo denominado Mobilidade humana e subjetividade: Por uma psicologia da deriva, alertam ainda para a atual forma de significar os espaços e as paisagens decorrentes do mundo contemporâneo. Segundo as autoras, o movimento, o transitório, a velocidade e o tempo volatizam as experiências humanas de viver e conviver. Bem como as formas de significação de nós mesmos, onde o corpo é levado pela sensação de velocidade que ocorre através de motores. Condicionando-os a operações mecânicas, dá-se a sensação de movimento sem que de fato nos movamos. Confundindo velocidade com movimento, o corpo, supostamente livre, se sujeita às experiências diárias tornando-se dócil e passivo em relação ao espaço. Também defendem a ideia de que a experiência contemporânea de locomoção, de ser transportado também transforma o lugar em não-lugar, dessensibiliza os sujeitos na sua relação com o espaço transformando-o em mero lugar de passagem.

Desta forma entende-se porque o espaço público é tratado não apenas como um não-lugar, mas um lugar de ninguém, ao invés de um lugar de todos. Se a velocidade na mobilidade impera nos grandes centros urbanos, atualmente como sinal de progresso, esses lugares deixam de serem lugares de encontro com o outro e com o a cidade. Eles passam a representar simples vias de acesso, de corpos de passagem, a outros não-lugares ou lugares de ninguém. Gislaine de Macedo chega a se questionar se as colisões não seriam um possível sintoma da angústia humana na busca pelo outro, já que os encontros nos espaços urbanos parecem só tornarem-se possíveis nessas ocorrências.

Portanto, é completamente compreensível quando o Engenheiro de Transporte e Sociólogo Eduardo Vasconcellos afirma, parafraseando o poeta Fernando Pessoa, que circular é preciso, viver não é preciso.


Tem interesse pelo assunto? Gostaria de ler mais textos como esse? Então acesse o meu e-book.

INSCREVA-SE NO MEU BLOG

Receba novas postagens direto na sua caixa de entrada.

Um comentário em “O MAESTRO DAS CIDADES

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.